Uma Nova Ferramenta na Execução Civil: Inscrição na CNIB

“A decisão do STJ abre espaço para novas reflexões sobre a adequada utilização das medidas executivas atípicas e seu impacto na garantia dos direitos das partes envolvidas nos processos de execução civil.”

Por Carolayne Barbosa

A recente decisão da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) trouxe à tona um importante debate sobre a utilização da Central Nacional de Indisponibilidade de Bens (CNIB) nos processos de execução civil. Esta medida, embora controversa, pode ser um recurso valioso para garantir a efetividade das execuções, desde que aplicada de forma subsidiária e após o esgotamento dos meios convencionais.

A CNIB é uma plataforma que centraliza informações sobre ordens de indisponibilidade de bens decretadas pelo Judiciário ou por autoridades administrativas. Seu objetivo é fornecer mais segurança jurídica nas transações imobiliárias, permitindo que cartórios consultem e informem sobre a existência de indisponibilidade de bens, o que pode influenciar decisões de compra e venda de imóveis.

No caso analisado pela Terceira Turma do STJ, o tribunal decidiu que o juízo pode determinar a busca e a decretação da indisponibilidade de imóveis do devedor por meio da CNIB. No entanto, esta medida deve ser adotada apenas quando esgotadas as tentativas de execução pelos meios convencionais, como o BacenJud e o Renajud.

A decisão do STJ baseou-se na constitucionalidade das medidas de execução atípicas previstas no artigo 139 do Código de Processo Civil. Estas medidas, embora subsidiárias, são consideradas constitucionais e podem ser utilizadas para viabilizar o cumprimento de obrigações na execução civil.

A utilização da CNIB como instrumento de execução civil representa um avanço no processo de busca por efetividade e celeridade. No entanto, é fundamental que esta medida seja aplicada de forma criteriosa, respeitando os princípios da razoabilidade, proporcionalidade e subsidiariedade. A decisão do STJ abre espaço para novas reflexões sobre a adequada utilização das medidas executivas atípicas e seu impacto na garantia dos direitos das partes envolvidas nos processos de execução civil.

Ainda com dúvidas? Fale agora com um especialista diretamente no WhatsApp:

Deixe seu Comentário:

Compartilhe:

Últimos Artigos:

IA no direito societário?

IA no direito societário?

Saiba como a inteligência artificial está desburocratização o direito societário: Recentemente, o Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração (DREI)…
Saiba como as novas restrições da Lei 14.873/24 podem afetar sua empresa

Saiba como as novas restrições da Lei 14.873/24 podem afetar sua empresa

A Lei 14.873/24 trouxe mudanças significativas para a compensação de créditos tributários decorrentes de decisões judiciais transitadas em julgado. Agora,…
Governo federal prepara o lançamento do Plano Safra 2024/2025

Governo federal prepara o lançamento do Plano Safra 2024/2025

Com a aproximação do novo ano agrícola, o Governo Federal está em fase final de preparação para o lançamento do…